O Veterinário Consultor de Comportamento Animal

Dr. Mauro Lantzman©

A promoção do bem estar animal, a orientação a criação e educação de animais domésticos e o atendimento a queixas comportamentais não se restringe a reeducação ou a modificação comportamental por meio de técnicas comportamentalistas (behavioristas). Para atendimento a estas demandas o profissional precisa dispor de outras competências.

Nos Estados Unidos e na Europa há mais de 25 anos este campo de estudo, pesquisa e trabalho vem sendo reconhecido e aprimorado. A APBC ( The Association of Pet Behaviour Counsellors) e a ABS ( Animal Behavior Society ) procurando padronizar os requisitos para a formação de veterinários especialistas em comportamento de animais de estimação ("pet behaviour counsellor") vem fornecendo certificados com grau de mestrado. Algumas faculdades nas Américas e na Europa já incluíram em seu currículo matérias relacionadas, cursos completos e residência em consultoria e comportamento animal aplicado ( Certification of Applied Animal Behaviorists).

No Brasil dispomos de pouquíssimas faculdades de medicina veterinária que forneçam esta matéria em seu currículo. A inclusão desta matéria no currículo seria fundamental, pois permitiria ao clínico avaliar e promover mais acuradamente o bem estar animal, não só através da prevenção de problemas comportamentais bem como na detecção de sua ocorrência.

Problemas comportamentais estão muitas vezes associados a doenças sistêmicas, o conhecimento do comportamento normal canino auxiliaria na determinação do diagnóstico e na tomada de decisão sobre o tratamento mais adequado.

Os poucos profissionais habilitados a atuarem fizeram sua formação em cursos de pós graduação e doutorado em comportamento animal geral, e outros cursos paralelos e leitura de livros especializados.

Para a formação do consultor ou clínico em comportamento animal as seguintes matérias são fundamentais: psicologia experimental e comparada, teoria do aprendizado, etologia, análise experimental do comportamento, anatomo-fisio-neurologia e neurofarmacologia, bem estar animal, psicologia humana, terapia familiar. A clínica de comportamento animal inclui os conhecimentos do comportamento normal (funcional) e alterado (disfuncional), semiologia, intervenção e tratamento e farmacologia comportamental entre outras.

O tratamento de problemas comportamentais requer antes de mais nada um aprofundamento no conhecimento do animal e, principalmente, do contexto ambiental em que está inserido. A partir destes dados elabora-se um protocolo de tratamento que envolva todos as pessoas mais próximas, com transferência de informações sobre comportamento animal, bem estar e responsabilidades. Como recurso para o tratamento, o veterinário especializado poderá se utilizar de técnicas de modificação comportamental e, quando necessário, de fármacos adequados. Não se trata somente de adestramento, mas algo que vai além disso porque nestes casos a modificação comportamental é guiada e condicionada à problemática de cada animal e cada contexto. Por isso na formação do especialista é fundamental o conhecimento da psicologia humana individual e familiar que permitirá ao especialista reconhecer e respeitar os limites de cada proprietário. 

O propósito final é corrigir as possíveis alterações comportamentais, dar condições ao proprietário de entender seu animal e tornar sua convivência mais adequada e harmoniosa respeitando as necessidades e bem estar do animal.

Em algumas ocasiões o proprietário só vai se dar conta da alteração comportamental de seu animal de companhia quando este já apresentar em fase adiantada. Cabe ao veterinário clínico geral detectar, identificar e alertar o proprietário quando uma alteração comportamental está em curso. Por outro lado, o que o proprietário identifica como um problema, pode, na verdade, ser um comportamento normal, adaptado a situação ambiental ou social. O comportamento se desenvolveu em função da falta de informação quanto a forma de criar e educar o animal. Como conseqüência, aquele que poderia ser o melhor amigo do homem, torna-se um problema, um fardo.

  O atendimento a queixas comportamentais consome entre uma a duas horas e consiste no levantamento detalhado de vários aspectos da história geral e comportamental do animal bem como da caracterização do contexto ambiental e social - familiar em que o animal está inserido.

A seguir podemos ver algumas das áreas de atuação deste profissional.

•  Orientação para a seleção e compra do animal mais adequado de acordo com as características comportamentais da espécie e raça, escolha do filhote mais adequado da ninhada, adequação e orientação segundo as características e limitação da(s) pessoa(s) interessada(s). Seleção do animal mais adequado ao contexto pessoal ou familiar .

•  Prevenção de problemas comportamentais, melhoria da relação entre proprietário e seu animal de estimação e posse responsável.

•  Orientação para um melhor convívio entre a pessoa(s) e o animal: educação e adestramento.

•  Orientação para a reprodução ou castração .

•  Tratamento de queixas ou distúrbios comportamentais:

  • Estresse
  • Agressividade
  • Ansiedade de separação
  • Problemas relacionados a eliminação (fezes e urina)
  • Problemas relacionados à educação ( roubar comida)
  • Medos e fobias
  • Comportamentos destrutivos
  • Coprofagia ( ingestão de fezes)
  • Comportamentos compulsivos - Dermatite de lambedura

 

Voltar para clínica